Quem são os Anonymous

Por: Marcos Rubio

Sempre que ouvimos falar sobre o termo "Anonymous",
logo associamos ou na matéria em sí é associada as palavras hacker, ataque, invasão, ativismo e outros adjetivos mais.


Tais afirmações não estão completamente corretas, mas também não estão completamente incorretas.




Onde iniciou o Anonymous?

Iniciou-se no imageboard 4Chan, um forum de discussão criado pelo palestrante e assessor em fundo de investimentos Christopher Poole, onde se usa imagens e texto de forma anônima. 


O assunto inicial era sobre cultura Japonesa, conhecidos como grupos de Otaku.
Mas como o número de usuários ultrapassa 10 milhões por mês, é lógico que não se restringiria a um único tema.

Com o anonimato oferecido, virou digamos que um ponto de encontro virtual entre todos os tipos de pessoas com as mais variadas intenções. 




Então, tendo um ponto de encontro, a confiança do anonimato e muitas cabeças pensando sobre determinado assunto, surge então um grupo hoje conhecido como "Anonymous".


Como ficaram conhecidos mundialmente?

Em Janeiro de 2008, a Igreja da Cientologia produziu um vídeo entrevistando o ator Tom Cruise, e esse vídeo vazou na internet e foi para o Youtube. A igreja exigiu que o vídeo fosse retirado do Youtube por violação de direitos autorais. 


Essa exigência fez com que o grupo iniciasse o Projeto Chanology, eles consideram a ação da Igreja da Cientologia contra o Youtube como uma forma de censura na Internet.

Começaram então a organizar ataques de negação de serviço (DDoS) contra a Igreja.
A ideologia era o "direito a Liberadade de expressão".




O grupo não ficou apenas na web, em 10 de fevereiro de 2008, cerca de 7000 pessoas protestaram em mais de 93 cidades do mundo.
Esses protestos virtuais e reais fizeram o grupo crescer, ganhar membros e agir.




Um dos feitos mais notáveis e de maior repercussão do Anonymous, foi o Avenge Assange (Vingar Assenge).

Em dezembro de 2010, o site WikiLeaks foi pressionado a parar de publicar telegramas secretos do serviço diplomático dos Estados Unidos. 


O grupo Anonymous anunciou seu apoio a WikiLeaks e lançou ataques DDoS contra Amazon, PayPal, MasterCard, Visa e contra o banco suíço PostFinance,  que haviam tomado medidas hostis contra Wikileaks (bloqueio de ativos e transferências financeiras, recusa de hospedagem do site, etc.).

Em razão dos ataques, tanto o site da MasterCard quanto o da Visa foram derrubados.
Um pesquisador da PandaLabs disse que o grupo também lançou um ataque que derrubou o site da promotoria sueca, em retaliação ao pedido de extradição para a Suécia do fundador da WikiLeaks, Julian Assange, que já estava preso em Londres, sem direito a fiança.



Muitos outros ataques foram atribuídos ou associados ao grupo Anonymous. Entre eles:

Primavera Árabe, Operação Egito e Operação Tunísia
Operação Malásia
Operação Síria
Apoio ao Occupy Wall Street
Operação DarkNet
Occupy Nigéria
Operação Megaupload e Protesto anti-SOPA
A revolução Polonesa e o ativismo anti-ACTA na Europa

No Brasil:

Revolta dos 20 Centavos.
Revolta do Vinagre.

Quem são os Anonymous?

Qualquer pessoa pode ser um anonymous. Não é um grupo formado apenas por Hackers como muitos pensam.
Há pessoas que são leigas em informática e fazem parte do grupo.

Por exemplo, uma empresa lesa seus clientes, como represália, derruba-se o site da empresa.
Um ataque DDoS é feito congestionando o tráfego, seria como se um supermercado suportasse 100  clientes por hora e fosse visitado por 1000 clientes por hora.

Se você acessar os serviços desse site na hora combinada, você estará fazendo parte do ataque, pois estará ajudando a derrubar ou dificultar os serviços da empresa.

O Anonymous é como uma forma de protesto, abrangendo vários motivos, diversas causas e diferentes grupos de pessoas.

Quem lidera o Anonymous?

Predomina o sistema anárquico, não há um líder, um representante nem um porta voz.
É difícil para os próprios membros definir exatamente o que ou quem são os Anonymous,
pois não se trata de uma Organização, não existe uma regra ou um cronograma de ações.

No Anonymous Brasil, a auto definição do grupo é a seguinte:





"Nós somos uma idéia. Uma idéia que não pode ser contida, perseguida nem aprisionada."

"Nós não somos uma organizacão e não temos líderes.
Oficialmente nós não existimos e não queremos existir oficialmente.
Nós não seguimos partidos políticos, orientacões religiosas, interesses econômicos e nem ideologias de quaisquer espécies.
Mais uma vez: Anonymous não tem líderes.
Se alguém lhe disser que representa ou lidera Anonymous, este alguém não conhece a idéia Anonymous, porque nós não podemos ser representados ou liderados, porque isto é o que somos: uma idéia."

Para entender de forma clara e prática, podemos relacionar a uma torcida de futebol.
Há um clube com milhares de torcedores, mas cada um responde por seus atos dentro do estádio.

Ainda no site do Anonymous Brasil:

"No Brasil, estamos agora nos expandindo e queremos convidá-lo a juntar-se a nós, anonimamente.
Preservando o anonimato, poderemos agir contra a corrupção com mais eficácia, sem perseguição.
Não esperamos que você acredite neste texto.
Pedimos apenas que você se informe e procure as informacões por você mesmo sem intereferências midiáticas.
Veja com seus próprios olhos os fatos que estão acontecendo no mundo e na sua própria cidade. 


Vamos todos juntos à favor do Brasil, contra a corrupção!"

É visível as diferentes causas defendidas e as diferentes formas de protestos.
Há quem lute contra a corrupção e ataque e divulgue dados pessoais dos corruptos.
Há quem lute contra a pedofilia e divulgue e denuncie os criminosos.
Há quem lute contra decisões governamentais e ataquem e derrubem sites e sistemas públicos e assim por diante.

Ou seja, assim como em qualquer meio Social, há pessoas honestas e há criminosos.




Isso é uma breve definição sobre esse grupo, uma incógnita sobre mocinho e bandido.

 Tire suas próprias conclusões, afinal, essa é uma das idéias do grupo.

Gostou da Postagem? Tem alguma dúvida ou deseja fazer alguma correção? Deixe seu comentário.

Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário:

Postar um comentário